Moldávia

 

A Moldávia protegeu cerca de 8% do seu território como parte da Rede Esmeralda.

Juntamente com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Programa das Nações Unidas para o Ambiente e GRID-Genebra, o Governo da Moldávia pretende gerir eficazmente a conservação da biodiversidade tanto dentro como fora das áreas protegidas. Os dados espaciais, incluindo a observação da terra, foram utilizados para monitorizar e manter a integridade ecológica dos ecossistemas da Moldávia. 

A Rede Esmeralda da Moldávia

 

Em relação ao seu tamanho, a Moldávia tem uma rica biota, com mais de 80 espécies de mamíferos incluindo javalis, lobos, texugos, gatos selvagens, e veados. Aproximadamente 15% da Moldávia continua a ter uma cobertura vegetal natural. O terreno estende-se por três eco-regiões: as florestas mistas da Europa Central, a estepe pontiaguda e a estepe florestal da Europa Oriental. Dentro destas eco-regiões, a Moldávia registou 484 espécies raras de plantas e animais protegidas pelo Estado. Para proteger esta diversidade, foram estabelecidos 52 Sítios Esmeralda e 30 Habitats Esmeralda para proteger 152 Espécies Esmeralda. 

A Rede Esmeralda é um sistema de áreas protegidas em toda a Europa que visa a conservação da flora e fauna selvagens, e dos seus habitats naturais associados. Foi lançada em 1989 pelo Conselho da Europa como parte dos seus trabalhos no âmbito da Convenção sobre a Conservação da Vida Selvagem e Habitats Naturais Europeus (Convenção de Berna) que entrou em vigor em 1 de Junho de 1982.

Protecção de Espécies Ameaçadas de Extinção

 

Estes sítios ajudam a preservar habitats e espécies de importância europeia. Entre eles estão a orquídea-de-dama (Cypripedioideae), o morcego barbastelle(Barbastella barbastellus), a grande borboleta de cobre(Lycaena dispar) e o pica-pau preto(Dryocopus martius). A Moldávia tem mais de 257 espécies de aves residentes e migratórias, sendo que mais de 80 destas espécies migratórias ocorrem nas zonas húmidas da Moldávia. Assim, a protecção destes habitats é fundamental para o sucesso da Rede Esmeralda.

Mapa da história: Utilização de Dados Espaciais para Informar as Áreas Protegidas

 

Os dados espaciais desempenham um papel fundamental na monitorização e identificação da conservação in situ, e na avaliação das ameaças à biodiversidade e aos ecossistemas. Análises tais como densidades populacionais de espécies e áreas em risco de desflorestação ou conversão de terras podem ajudar a informar o nível a que a Rede Esmeralda protege tanto os habitats como as espécies. Reproduza o mapa da história abaixo para ler mais estudos de caso sobre espécies ameaçadas nos sítios da Rede Esmeralda da Moldávia.